5 tendências da medicina que você precisa conhecer

Por Aline Patricia em 19 de abril de 2017.

Os avanços tecnológicos que ocorreram nos últimos anos só mostram que o segmento da medicina está sempre um passo à frente de seu tempo. Tudo isso para oferecer uma melhor qualidade de tratamento e recuperação aos pacientes.

Chega a ser difícil fazer uma lista dos principais itens que chegaram ao setor nos últimos tempos e que já foram adotadas por hospitais, clínicas e consultórios médicos. São impressoras 4D, comprimidos que contem chips, robôs que permitem maior precisão em cirurgias e mais uma porção de itens que provam que a medicina brasileira é uma das melhores do mundo.

Os leitores da MedPlus sempre estão buscando informações e novidades, por isso queremos te contar algumas tendências da medicina que você precisa conhecer!

Algumas você já pode até ter ouvido falar, mas você sabe como aplica-las em seu consultório?

Sabe como elas podem trazer melhoria em seu atendimento?

Como elas geram inovações?

A gente te conta cada detalhe!

Acompanhe!

 

Utilização do Kinect

Você pode estar pensando que é, praticamente, impossível uma tecnologia que foi criada para ser usada no Xbox (um vídeo game) seja útil dentro do consultório, não é mesmo?

Você tem ideia de como ela funciona?

Bom, você deve saber que ela foi criada para que os jogadores pudesse controlar o avatar do jogo sem o controle. Ou seja, com movimentos corporais é possível controlar todos os comandos.

Isso só é possível pois há uma câmera com sensor corporal que faz a leitura do corpo. Essa tecnologia passou a ser adotada em algumas salas de cirurgia, pois o profissional que está ali operando pode usar um simples movimento de braço para consultar prontuários ou arquivos.

O que entrou para ser apenas um “teste” caiu no gosto dos médicos, pois a informação sobre cada paciente que está na mesa pode ser acessada com autonomia e sem o risco de contaminação do campo cirurgião.

Uso dos Tablets

Com a inserção do prontuário eletrônico na rotina médica, o mais viável era que a forma de preenchimento também fosse atualizada, não é mesmo? Por que implementar uma tecnologia tão ágil e continuar utilizando folhas de papel?

Não faz lógica!

Muitas clínicas e consultórios já deixam a disposição de seu corpo médicos, além de computadores de mesa, os tablets que facilitam muito a mobilidade de todos.

Através deles e com um sistema de gestão integrado, os médicos podem fazer avaliações médicas, prescrever medicações e consultar o histórico anterior com um simples toque de dedos.

Não é mais necessário solicitar a ficha médica ou então, subir a sua sala para fazer uma prescrição ou alteração. Mobilidade é a palavra do momento e facilitar os processos traz mais agilidade para ambas as partes:

  • Os pacientes conseguem ser atendidos mais rapidamente, tendo a solução de seus problemas de forma ágil;
  • Médicos conseguem atender de qualquer lugar dentro da instituição, da sua sala ao pronto socorro;
  • A administração consegue ter um panorama em tempo real.

Nesse casa, todos saem ganhando!

Presença de tecnologia Wearables

Conhecida também como tecnologia vertíveis, no segmento da saúde a utilização de wearables permite o constante monitoramento dos sinais vitais do paciente.

Atualmente, as formas de utilização são as mais diferenciadas possíveis: por pulseiras, faixas de abdômen, relógios de pulso e mais outros tantos dispositivos que são lançados diariamente no mercado.

Nos dias de hoje já tornou-se comum a utilização desses aparelho para medição de frequência cardíaca, respiratória, identificação de problemas do sono, pressão e até mesmo o controle da glicemia.

As novas tecnologias para esses dispositivos prometem que, em um futuro próximo, será possível mediar o colesterol e mais uma porção de outras informações.

Para pacientes que precisam de controle diário de algum desses fatores, a tecnologia wearables seria interessantíssimas, afinal iria tirar as visitas constantes em hospitais apenas para o controle. Pacientes que se encontram de cama e idosos, também desfrutaram de mais versatilidade.

 

Impressoras 3D e 4D

Logo que se apresentou ao mercado as impressoras 3D e 4D logo chamaram a atenção do segmento da medicina, pois eram capazes de criar objetos em 3 dimensões, sólidos e com materiais resistentes. Logo, a ortopedia encontrava ali uma forma de trabalhar próteses, talas ou implantes com uma maior versatilidade.

Só que quem pensou que isso iria parar por ali, enganou-se. Materiais usados como base, o plástico, no caso, ou a resina passaram a ser substituídos por células.

Isso mesmo, células!

Então, iríamos a outro patamar, imprimindo órgãos, vasos sanguíneos, tecidos, pele e muito mais! Mas calma, tudo ainda está na fase de testes e sendo viabilizado a sua utilização.

Tanto que aqui no Brasil, a utilização ainda não foi autorizada, pois os experimentos não foram concluídos.

Em impressão 3D, algumas equipes já vem imprimindo detalhes para recriar possíveis dificuldades em sala de cirurgia ou treinar precisão.

Já com a impressão 4D é possível ir muito mais além, mesmo parecendo impossível!

Como com sua utilização atinge-se a 4º dimensão, o segmento da saúde estudo a possibilidade implantes que se adaptem ao corpo do paciente quando encontrar o local planejado. Com isso, aquela “peça” ganharia a própria estrutura do corpo, evitando, por exemplo, o alto índice de rejeição que ainda ocorre em alguns órgãos ou tecidos.

 

Atendimento à distância

Ainda pouco utilizado, mas em fase de testes, o atendimento médico à distância pode não ser uma realidade hoje, mas no futuro, provavelmente será uma prática utilizada.

Se hoje somos capazes de fazes reuniões, fechar negócios, ter aulas e mais uma porção de ações online, por que o atendimento médico seria diferentes?

Com a utilização de tecnologias wearable, por exemplo, os médicos conseguem monitorar seus pacientes à distância, podendo alertar em caso de possíveis alterações ou então, realizando consultas de rotina sem a necessidade de deslocamento.

É importante deixar bem claro aqui que tudo isso são apenas promessas para um futuro próximo, pois atualmente o Conselho Federal de Medicina não autoriza o atendimento remoto em nenhuma modalidade de consulta.

 

Você já conhecia alguma dessas tecnologias? Alguma delas já está aplicada em sua clínica?

Conte para nós!

 

Aline Patricia

Gerente de Produto
Formada em Administração, há 11 anos atua na MedPlus no atendimento ao cliente e atualmente é Gerente de Produto.