Como gerenciar o capital de giro da sua clínica?

Por Cecília Galvão em 23 de junho de 2017.

O gerenciamento eficiente do capital de giro sem dúvida é um grande desafio até mesmo para empresas consolidadas no mercado e, entre as pequenas e médias (onde normalmente se enquadram clínicas e consultórios médicos), a situação pode ser bastante dramática, considerando que cerca de 60% das empresas desse porte não permanecem no mercado após o segundo ano de funcionamento.

O que é capital de giro?

Este termo é muito usado, porém nem sempre se tem clareza do que se trata, de fato, o capital de giro da sua clínica. Entende-se como capital de giro todo o recurso financeiro que o estabelecimento possui – o capital de trabalho. Com esse montante, o dono do negócio realizará o pagamento de funcionários, fornecedores, impostos e demais despesas operacionais. Como o próprio nome indica, o capital de giro se relaciona com todas as contas que giram no dia a dia da empresa.

Por que conhecer a fundo o capital de giro de sua clínica é importante?

Uma questão bastante comum e que pode trazer problemas imensos ao estabelecimento é a falta de conhecimento da realidade financeira do negócio, um descontrole que culmina, em boa parte das vezes, no fechamento da empresa.

Para ajudar nessa questão, separamos algumas dicas para gerenciar o capital de giro da sua clínica de forma eficiente. Confira!

1 – Gerenciamento realista de custos

O lucro de uma clínica médica provém através da prestação de serviços médicos, como exames, consultas e tratamentos. No entanto, desse montante, deve ser descontado os valores investidos na clínica, como o pagamento dos funcionários, as contas de água, luz, aluguel, medicamentos e insumos utilizados, entre outras despesas. A partir desse desconto será possível ter uma base de lucro real – e se ele pode fornecer um crescimento sustentável do negócio a médio e longo prazos.

2 – Cuidado com empréstimos bancários

Uma clínica, no início de suas operações, pode recorrer a um financiamento bancário para, por exemplo, comprar à vista todo mobiliário e equipamentos – uma vez que esses itens parcelados individualmente podem sair bem mais caros do que os juros do empréstimo para quitá-los à vista (situação em que sempre é possível negociar um bom desconto). No entanto, se o empréstimo for destinado para quitar dívidas ou para aumentar o capital de giro, será necessário prever com muita cautela os custos dessa operação para que o empréstimo e as dívidas já existentes não se tornem uma imensa bola de neve.

3 – Otimize o capital de giro de sua clínica

Sempre que possível, compre equipamentos e insumos à vista e negocie descontos. Opte por fornecedores confiáveis que ofereça vantagens nos pagamentos. Além disso, para manter a saúde de qualquer negócio, é necessário conhece-lo em todos os pontos para saber reconhecer onde o investimento está escoando – e dessa forma, avaliar quais gastos devem ou não ser mantidos.

4 – Amplie as opções para recebimento de valores

Estabelecer uma política de pagamento que aceite apenas valores à vista de seus pacientes pode ser uma opção dependendo do poder aquisitivo do público da clínica. No entanto, caso queira ampliar a carteira de clientes, aceitar parcelamentos é uma boa saída para abarcar novos pacientes e fazer com que eles possam realizar mais procedimentos a cada visita.

É importante também contar com a possibilidade de entrada em cartões de débito e crédito (ideais para o parcelamento), o que facilita as operações de pagamento no dia a dia.

 

Agora que você já sabe como gerenciar o capital de giro de sua clínica, confira 5 dicas para aumentar seus lucros e tenha sucesso em seu negócio!

Cecília Galvão

Líder de atendimento
Atua no atendimento da MedPlus há quase 2 anos e possui experiência nas áreas de atendimento ao cliente, suporte técnico, implantação e sucesso do cliente.