Guia Marketing Médico de acordo com as regras do CFM

Por Suellen Bosse em 27 de abril de 2018.

O marketing é uma importante ferramenta para qualquer empresa e tem sido cada vez mais imprescindível para as prestadoras de serviços médicos devido à alta concorrência no mercado. Entretanto, muitas clínicas têm receios quanto a publicidade do seu negócio por conta das regulamentações do CFM.

Para esclarecer alguns pontos e te ajudar a fazer um marketing médico ético, nós listamos algumas boas práticas segundo o Conselho Federal de Medicina. Confira!

Seja claro e evite tom sensacionalista

Segundo o CRM, a divulgação da clínica não deve ser feita de forma a se autodenominar “a melhor” ou “a única”, bem como é vetada a utilização de imagens sensacionalistas – como imagens de doenças ou de pessoas doentes, por exemplo.

O marketing médico deve ser claro, coerente e sempre visar a informatividade, buscando munir o público dos conhecimentos necessários para que ele busque pelo profissional mais adequado segundo seus sintomas – seja esse profissional um colaborador da sua clínica ou não.

Não utilize imagens de pacientes em publicidade

Outro fator ao qual você deve se atentar é a utilização da imagem de pacientes.

É estritamente proibido veicular essas imagens, mesmo que com autorização, para anunciar seus serviços. Sabe aquelas imagens de “antes e depois” muito divulgadas por aí? Segundo as regras do CFM, ela é proibida e antiética. O uso da imagem de pacientes só é permitido em congressos e outros eventos desse tipo.

Tenha cuidado com a veiculação e à sua ligação a propaganda enganosa

Também é importante ter uma atenção especial em relação às parcerias que a clínica fecha, cuidando para que fornecedores, farmácias e afins não liguem o nome da sua clínica (ou de algum de seus colaboradores) a propagandas enganosas – principalmente no que concerne a marca de produtos e medicamentos ou, ainda, de equipamentos.

Além disso, antes de compartilhar qualquer informação em suas redes sociais, verifique e garanta que ela seja baseada em fontes seguras e, portanto, verdadeira. Da mesma maneira, repasse essas instruções para todos os colaboradores da sua clínica.

Deixe claro que qualquer conteúdo ou informações fornecidas pela sua clínica não substitui a consulta presencial com o médico

Com o advento da internet e, consequentemente, com o fácil acesso à informação, o número de pesquisas relacionados a doenças, sintomas e hábitos saudáveis cresceu consideravelmente. A partir disso, tornou-se necessário que as empresas prestadoras de serviços de saúde, bem como médicos e profissionais dessa área, divulgassem informações relevantes e verdadeiras para a população.

Nesse sentido, o marketing médico tem um papel fundamental. Entretanto, todo o conteúdo médico divulgado deve, invariavelmente, levar o indivíduo a procurar por um serviço de saúde e consultar-se presencialmente com um médico.

Embora seja possível que os profissionais da saúde retirem dúvidas de pacientes por meio de aplicativos e mensagens, nenhum atendimento informal substitui a consulta presencial. Portanto, segundo o CFM, é proibido que profissionais da saúde prestem serviços médicos por meios informais, de forma a substituir a consulta presencial.

O CFM é um órgão regulamentador que busca garantir a boa conduta médica de todos os profissionais da saúde por meio de leis e fiscalização. Se atente às suas regras quanto ao marketing médico e garanta o bom andamento da sua clínica!

Suellen Bosse

Gerente de Marketing
Atualmente é Gerente de Marketing, com mais de 15 anos de experiência na área de comunicação e relacionamento, faz parte do time da Sponte há mais de 18 anos.