Como ter um site médico de sucesso? Conheça as boas práticas

Conheça estratégias e boas práticas para ter um site para consultórios e clínicas médicas de sucesso no seu marketing digital.

Por Cecília Galvão em 19 de outubro de 2020.

Uma das melhores estratégias para se conquistar novos pacientes é ter um site atrativo para sua clínica ou consultório médico. Por isso é necessário aplicar energia no estudo de identidade visual e na otimização para conseguir maior relevância em buscas e pesquisas.

É muito importante avaliar como está a experiência do paciente – ou futuro paciente – ao navegar no site e bolar uma estratégia de conteúdo que agregue valor ao seu serviço. 

Além disso, é fundamental observar as métricas para analisar se o site está sendo eficiente ao divulgar seu trabalho.

Entender todos esses detalhes é essencial se você deseja ter sucesso com seu site e usá-lo para inovar na sua gestão médica.

Sendo assim, trouxemos neste post algumas dicas de boas práticas para dar um upgrade no seu site, no seu número de visitas e, claro, na sua atração de pacientes. Confira!

1. Atenção ao conteúdo do seu site médico

O principal objetivo de uma clínica médica é fornecer atendimento de qualidade a cada um de seus pacientes. Para isso, você precisa conhecer o tipo de pessoa que irá atender. Dependendo de sua especialização, terá inclusive que saber lidar com diferentes faixas etárias e isso é uma tarefa e tanto.

Podemos, então, fazer um paralelo entre seu site com o seu próprio atendimento. Assim como as consultas, o site precisa estar alinhado para melhor atender seu público, pensando sempre nas características de seus pacientes. 

No momento em que estiver criando ou atualizando seu site, pense nas principais ações que os seus pacientes irão procurar e na melhor forma de entregar essas informações.

Transmita sua mensagem de forma clara, simples e objetiva. Use uma linguagem de fácil entendimento e filtre o que precisa ser filtrado. Afinal, existem alguns assuntos que não devem ser abordados no site, apenas no consultório médico.

Se no seu caso houver ainda um blog atrelado ao site, como forma de aumentar sua visibilidade através do marketing de conteúdo, leve tudo o que foi dito em consideração para trazer assuntos de real interesse para o público que você deseja atingir. Afinal, é assim que se gera engajamento e relevância de forma orgânica atualmente.

2. Pense no design do site

Um bom design vai muito além de uma aparência esteticamente agradável. Tem a ver também com funcionalidade, proporcionar uma experiência de qualidade ao usuário e oferecer a ele as soluções que procura. 

Por isso analise criticamente seu site médico e avalie como estão os aspectos visuais, como as cores escolhidas, bem como sua disposição. Verifique se a página não está confusa, cheia de distrações, como elementos que se movimentam demais ou imagens mal distribuídas.

Se você ainda está na fase de planejamento do seu site, faça uma estudo e leve tudo isso em consideração. Uma boa dica é analisar sites médicos de renome, avaliando tanto do ponto de vista estético quanto funcional, e usá-los como referência ao que você pretende fazer.

Converse com seu webdesigner e compartilhe com ele as referências para que vocês possam criar juntos algo que seja a cara do seu consultório ou clínica médica e que atenda todos os requisitos para ser um site amigável ao usuário.

Se for o caso de escolher uma das plataformas com templates prontos para o  site, basta escolher uma que se encaixe no seu perfil de negócio. Você terá um resultado menos personalizado, mas o trabalho vai ser mais simples.

3. Coloque seus serviços médicos em destaque no seu site

O tipo de serviço oferecido pela sua especialidade médica pode não ser óbvia para o público geral. Para quem é leigo e para pessoas com menos acesso a informação, compreender isso pode ser um desafio e tanto.

Sendo assim, reforce em seu site quais são as especialidades que você atende e os serviços que presta. É válido inclusive apresentar uma lista bem clara de exames e problemas que você pode tratar. 

Quando você faz essa segmentação de forma assertiva fica até mais fácil criar uma campanha do Google Adwords, por exemplo, usando o termo exato do serviço que você presta. 

Isso te coloca no nicho certo e atrai olhares especificamente do público que você deseja atender, aumentando sua relevância no Google e sua taxa de conversão.

4. Facilite o caminho do paciente dentro do site médico o máximo possível

Quanto mais facilidade você entrega ao seu paciente, mais fiel ele se torna. Por exemplo, imagine criar um ambiente onde ele possa marcar suas consultas com praticidade, recebendo a confirmação via SMS? Ou então que ele possa pegar o resultado de seu exame com um login e senha? 

São pequenas facilidades que no dia a dia são de extrema importância. Isso não ajuda só as pessoas, como também facilita a conversão de um “possível paciente” para um paciente de fato, pois você elimina as barreiras que dificultam esse processo. 

Sendo assim, quanto mais fácil for o caminho do seu público, mais pacientes sua clínica ou consultório médico terá.

Portanto, vale muito a pena avaliar a viabilidade de práticas como essas para o seu negócio. O sistema de gestão médica MedPlus, por exemplo, possui uma ferramenta que possibilita o agendamento online de consultas, facilitando a organização da sua agenda médica, além de proporcionar uma série de facilidades para o paciente. 

Conheça mais da ferramenta de gestão MedPlus em nosso site e descubra as muitas formas em que podemos te ajudar.

5. Seu site médico precisa ser responsivo

Há tempos que as pesquisas através de smartphones superaram, em número, as que são feitas em computadores. Pois então é preciso que você pense nisso e prepare seu site para receber esses usuários.

Assim, quando falamos em responsividade, estamos falando de adaptação. As pequenas telas pedem sites mais leves, com conteúdo proporcional ao tamanho da tela e uma facilidade muito maior de navegação.

Os navegadores nos smartphones já fazem uma adaptação do formato da tela automaticamente, mas isso não significa que o problema está resolvido. 

Geralmente essa adaptação automática tende a piorar o visual do site, prejudicando a navegação do usuário. Por isso é preciso ajustar o formato logo após a criação do layout principal do site, fazendo as adaptações necessárias.

Em seguida, faz-se o teste em diferentes plataformas e navegadores para garantir que a página esteja abrindo corretamente em todos eles. 

Uma dica: encher o sites com recursos visuais muito sofisticados e aplicativos não é uma boa opção, pois prejudicará a velocidade de abertura, sobretudo usando a internet móvel.

6. Dê atenção às métricas do seu site médico

Para saber se seu site realmente está tendo sucesso, só há um caminho realmente confiável: analisar as métricas. Caso você não saiba, as métricas são um conjunto de informações sobre o acesso dos usuários ao seu site.

Para ter acesso a elas é necessário o uso de alguma ferramenta. Sem dúvida a mais utilizada é o Google Analytics.

Uma vez configurado, seu Analytics irá te dar uma série de dados que você pode interpretar e concluir se o site está alcançando as metas de visualização. Caso não esteja, ele aponta também quais pontos – ou páginas – precisam de melhoria e otimização. Tudo isso através das métricas.

Saiba quais são as principais métricas para o seu site e descubra mais sobre elas:

  • Sessões: quantas vezes seu site foi acessado em determinado período, independentemente se um usuário acessou mais de uma vez ou não. Exemplo: se um único usuário acessou seu site 3 vezes dentro de determinado período, ficarão contabilizadas 3 sessões, mesmo sendo de uma única pessoa.
  • Usuários: quantas pessoas acessaram seu site dentro de determinado período, independente de quantas vezes acessaram. Exemplo: se um único usuário acessou seu site 3 vezes dentro de determinado período, ele fica contabilizado como 1 usuário, mesmo que ele tenha acessado seu site mais de uma vez.
  • Pageviews: quantas vezes as páginas do seu site foram visualizadas. Diferente das sessões, não se refere aos acessos gerais, mas sim às páginas em si, como “Home”, “Contato”, “Blog”, etc.
  • Taxa de rejeição: quantas pessoas acessaram apenas uma página do seu site e saíram.
  • Taxa de saída: quantas pessoas acessaram e saíram por determinada página.
  • Porcentagem de novas visitas: quanto dos usuários está acessando o seu site pela primeira vez.
  • Origem do tráfego: de onde estão vindo os visitantes do seu site, como: de busca orgânica (através de links não patrocinados nas pesquisas do Google ou de outro buscador), tráfego direto (ou seja, diretamente da barra de endereço do navegador), links (vindos de outros sites), ou campanhas (também chamado “tráfego pago”, isto é, resultado de campanhas ou anúncios).

Com essas informações já é possível ter um bom panorama do desempenho na web do site da sua clínica ou consultório médico. Por isso, não deixe de acompanhá-las periodicamente para ter controle dos seus pontos fortes e dos que precisam de ajustes e melhorias.

Se você tem interesse em saber mais sobre como usar o marketing digital a favor do seu consultório médico, aqui no blog temos diversos posts sobre o assunto, como este:  5 ferramentas de marketing digital para usar em sua clínica.

Essas são as principais práticas que você sempre deve ter em mente se quiser ter um site médico de sucesso. Quais você já conhecia? Nos conte nos comentários!

Você também pode conferir nosso eBook com um guia para sua clínica se posicionar melhor na internet, seja com o site ou com as redes sociais, por exemplo:

Cecília Galvão

Líder de atendimento
Atua no atendimento da MedPlus há quase 2 anos e possui experiência nas áreas de atendimento ao cliente, suporte técnico, implantação e sucesso do cliente.