Você sabe qual é o papel do diretor clínico em hospitais e clínicas médicas?

Um cargo muito importante dentro de uma clínica médica ou hospital é o diretor clínico. Saiba quais são suas funções e como ter mais eficiência na gestão.

Por Thais Geron em 09 de abril de 2021.

Em clínicas e hospitais existem diferentes cargos para os profissionais da saúde, como o gestor, o diretor técnico, o diretor clínico, os médicos, a secretaria, os enfermeiros, entre outros. Cada profissional tem determinadas atividades pelas quais é responsável. O diretor clínico, por exemplo, exerce um cargo fundamental para o bom desempenho da clínica.

O papel do diretor de clínicas é reconhecido por ser a ponte entre o corpo clínico e o diretor técnico, já que o diretor clínico é o médico responsável por representar e coordenar os demais médicos presentes.

Além disso, só podem exercer essa função aqueles que estiverem devidamente habilitados como médicos na forma da lei.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) estabeleceu normas em relação ao que é pertinente no escopo de responsabilidades do diretor clínico por meio da Resolução CFM nº 2.147/2016.

Resumidamente, é papel desse importante profissional garantir as excelentes condições de trabalho para os médicos e assegurar que todos os pacientes tenham assistência médica adequada. Mas no que ele difere dos outros diretores? E quais deveres e direitos estão sob sua responsabilidade?

Acompanhe este post e saiba mais sobre a função de diretor clínico!

    Quais são as diferentes funções do diretor de clínica médica?
    O que cabe ao diretor clínico fazer?
    Quais poderes o diretor clínico possui dentro da clínica médica?
    Como um médico pode se tornar diretor clínico?

    Quais são as diferentes funções do diretor de clínica médica?

    Muitas pessoas confundem o diretor clínico com outros funcionários que também possuem um cargo na direção da clínica. Isso porque um estabelecimento desse tipo possui mais de um diretor. 

    Tradicionalmente, os cargos de direção são: diretor técnico, diretor clínico e diretor geral. Este último é a cabeça da direção da instituição, sendo que os outros dois cargos respondem a ele.

    O diretor técnico é responsável pelo bom funcionamento do hospital junto às normas legais e órgãos específicos, como: Conselho de Medicina, Ministério Público, autoridades sanitárias, entre outros. 

    Além disso, ele deve zelar pelos aspectos administrativos do trabalho no hospital. O diretor técnico possui inclusive o direito de suspender temporariamente as atividades da instituição, se ele achar que ela não está em condições de continuar a prestar o serviço.

    O diretor clínico, por sua vez, possui a importante missão de ser a conexão entre a direção geral e o corpo clínico. Ele atua diretamente com a junta médica da clínica ou hospital, coordenando suas atividades.

    O que cabe ao diretor clínico fazer?

    A Resolução do Conselho Federal de Medicina nº 2.147/2016 estabelece que todo diretor clínico de instituição privada ou pública tem como suas principais responsabilidades:

    1. Assegurar o atendimento dos pacientes

    Quem se certifica que todo paciente sob regime de internação seja atendido por um médico assistente é o diretor clínico. Isso porque é ele quem coordena as atividades da equipe médica.

    Além disso, ele acompanha cada ato médico do corpo clínico, a fim de garantir que o atendimento seja cumprido de forma eficiente e respeitosa, zelando pela qualidade da assistência de saúde do estabelecimento médico.

    1. Supervisionar as atividades da equipe médica

    O diretor clínico tem como responsabilidade supervisionar tudo o que está relacionado às assistências médicas. Isso não se refere apenas à atividade em si, mas também às suas condições de trabalho.

    Observar se equipamentos e aparelhos estão funcionando corretamente, se a clínica ou hospital está fornecendo os insumos médicos e medicamentos necessários para a realização de exames e tratamentos, bem como verificar intervenções cirúrgicas e periciais. Tudo isso está dentro da alçada do diretor clínico.

    1. Zelar por condições adequadas de trabalho

    Como dito no último tópico, tudo que está relacionado à rotina de trabalho do corpo clínico está sob a supervisão do diretor clínico. Caso algo não esteja dentro dos conformes, esse profissional precisa alertar o diretor técnico para que, junto à direção geral, possam ser tomadas as medidas cabíveis.

    A gestão da clínica médica tem o compromisso de fornecer as condições básicas de trabalho aos seus profissionais de saúde. Na impossibilidade de estar sempre presente para colher tais informações da rotina de trabalho dos médicos, o diretor clínico entra como um aliado nessa tarefa.

    1. Assegurar a recepção e desenvolvimento de acadêmicos e residentes

    O diretor clínico tem a responsabilidade também de receber os estagiários acadêmicos e médicos residentes. Ele deve mostrar como é o regimento interno da clínica ou hospital, como funciona a rotina de trabalho e organizar as escalas cobrindo qualquer ausência médica.

    O profissional deve atentar-se às atividades desempenhadas pelos que chegaram há pouco tempo na equipe médica e estar em contato direto com eles.

    Tudo isso para garantir que os acadêmicos e residentes possam adquirir conhecimento e colocar em prática seu aprendizado da melhor forma, desenvolvendo-se profissionalmente.

    1. Organizar os prontuários dos pacientes

    O diretor clínico precisa manter os prontuários dos pacientes organizados, possibilitando que as informações sobre cada caso sejam acessadas com facilidade e que estejam de acordo com as determinações das Resoluções CFM nº 1.638/2002 e nº 2.056/2013.

    Vale lembrar que, com a lei de digitalização de prontuários (Lei nº 13.787/2018), o diretor clínico também precisa estar inteirado dessa atividade, acompanhando o processo e organização da passagem dos prontuários da forma física para a digital.

    1. Organizar centros de estudo

    A medicina é uma área do conhecimento em constante expansão e aprimoramento, sendo que muitos estudos se iniciam com casos clínicos. 

    Por isso, é de interesse e dever do diretor clínico promover grupos de estudo e acompanhamento com a equipe médica, a fim de incentivar o aprendizado coletivo, o desenvolvimento profissional e uma melhor prática médica.

    1. Dirigir assembleias do corpo clínico

    Sendo o diretor clínico o responsável pela equipe médica, é do seu direito e competência presidir as assembleias do corpo clínico.

    É também sua responsabilidade comunicar à direção técnica qualquer informação que diz respeito às condições de trabalho e demais decisões tomadas pelo corpo clínico relacionadas ao assunto.

    Quais poderes o diretor clínico possui dentro da clínica médica?

    Além das suas funções obrigatórias, o diretor clínico possui alguns poderes que podem ser usados em situações específicas. Não são exigências da função, mas, devido ao seu cargo, esse profissional pode desempenhá-las. Acompanhe:

    1. Acesso a informações

    Mesmo não estando à frente de um caso, o diretor clínico pode pedir acesso ao prontuário do paciente ao médico plantonista responsável, a fim de saber quais foram as intervenções médicas realizadas e a evolução do caso.

    1. Registro de ocorrências

    O diretor clínico deve acompanhar a rotina da equipe médica e zelar para que o trabalho aconteça da melhor forma possível. Qualquer problema relacionado ao trabalho e à convivência dos profissionais precisa receber o tratamento e cuidado adequado.

    Sabendo disso, o diretor clínico pode, se achar por bem, disponibilizar algum meio para o registro de ocorrências.

    1. Vetar determinados atendimentos médicos

    Em circunstâncias muito específicas, o diretor clínico pode determinar que médicos plantonistas de UTIs e de Serviços Hospitalares de Urgência e Emergência Médica não saiam de seus setores ou se desloquem para realizar um atendimento.

    Isso pode acontecer se o diretor avaliar a situação cuidadosamente e concluir que os profissionais da equipe possam correr algum tipo de risco severo (como de vida) durante o deslocamento ou atendimento, o que pode ocasionar em uma omissão de socorro.

    Esse é o tipo de poder que deve ser usado em circunstâncias extremas, apenas após uma criteriosa avaliação do caso e reflexão por parte do diretor clínico.

    1. Buscar e implementar melhorias na gestão do trabalho

    Felizmente, cada vez mais ferramentas estão surgindo para otimizar o trabalho em clínicas médicas. A transformação digital está acontecendo também em hospitais e consultórios médicos, levando inovação e mais eficiência para esses estabelecimentos.

    Sendo o responsável pela coordenação da equipe médica, o diretor clínico pode buscar recursos e soluções que levem mais praticidade para o dia a dia dos profissionais. 

    Inclusive, ter uma visão apurada e inovadora de gestão é uma qualidade essencial para ser um excelente diretor clínico.

    Portanto, é sempre interessante que esse profissional saiba das novidades e busque formas de gerenciar melhor o trabalho de sua equipe. 

    As ferramentas digitais são excelentes aliadas para esse objetivo e são ainda melhor aproveitadas quando implementadas em conjunto com os demais diretores. Existem diversos softwares de gestão especializados em clínicas médicas, contribuindo para o sucesso de estabelecimentos médicos.

    Como um médico pode se tornar diretor clínico?

    Para se tornar diretor clínico, primeiramente, o profissional deve ser um médico formado e fazer parte do corpo clínico. 

    Para que ele ascenda ao cargo de diretor clínico, é necessário passar por uma eleição direta com voto secreto, na qual quem vota é a própria junta médica. Todas essas normas foram estipuladas pelo Conselho Federal de Medicina em uma resolução própria (CFM nº 2.147/2016).

    O CFM afirma que também é possível que um médico acumule os cargos de diretor técnico e diretor clínico na mesma instituição. 

    Porém, essa regra é válida apenas em instituições de saúde com menos de 50 leitos, para que não ocorra excesso de responsabilidades para esse profissional. Em caso de acúmulo de cargos, a eleição deve ocorrer por sufrágio direto.

     

    Portanto, o diretor clínico precisa estar atento às novidades e ao desenvolvimento da clínica médica. Então, se você quiser saber mais sobre o futuro do trabalho médico, acesse nosso eBook:

Thais Geron

Gerente de Produto
Administradora especialista em Informática em Saúde, com 16 anos de experiência na MedPlus e na área médica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *